[+de18] Doce Poulain: um ensaio de dar água na boca

“Meu nome é Tabata Hisismit, mas sou conhecida como Doce Poulain por conta dos meus trabalhos como modelo alternativa para o Suicide Girls.

11 10

Sou curitibana e filha de pais comerciantes. Durante a minha adolescência passei bastante tempo na rua onde meus pais tinham seu empreendimento, pois era onde a galera costuma se reunir.

Lembro de um dia, logo após chegar do colégio, notar algo diferente acontecendo: meus amigos estavam reunidos em volta de algo. Enquanto me aproximava ouvia comentários como: “nossa”, “uau”. Cheguei mais perto e pude ver que era uma edição da Playboy que trazia a Juliana Paes na capa. Acredite se quiser, essa foi a primeira vez que vi um ensaio sensual!

8

Hoje, olhando em retrospectiva, sinto-me grata por meu primeiro contato com o nu ter sido desta forma, um ensaio elegante e de alguém reconhecida no meio artístico. Isso provavelmente ajudou a formar minha visão sobre o nu e me permitiu enxergar isso de uma forma bela e sem tabu desde o inicio. 

9

Claro que na época eu nem imaginava ou sonhava em fazer o mesmo, mas agora olha eu aqui! 

1

Estar nua em frente a uma câmera é algo que sempre foi muito natural pra mim, assim como a fotografia, que sempre esteve presente em minha vida. Comecei com autorretratos e hoje faço isso profissionalmente. 

5 4

Mas a melhor parte é poder compartilhar isso com pessoas que também admiram essa arte. E dessa vez, não poderia ser num lugar melhor.”

2

Sobre a fotógrafa

Kalinca Maki tem 27 anos, nasceu São Paulo e, aos 21 anos, largou a faculdade de jornalismo  para estudar fotografia. Apaixonada por esta arte,  desde criança pegava escondido a câmera da família e ficava tirando foto dos cachorros e das samambaias da  mãe. A ideia de preservar um momento pra sempre e poder revive-lo sempre a fascinou. Kalinca acredita que seu entendimento sobre as pessoas se expandiu quando começou a fotografar mulheres. “Fotografar alguém num estado de vulnerabilidade te faz vulnerável também e é um excelente exercício de empatia. Minha maior realização após entregar um trabalho é ouvir que eu ajudei alguém a se ver de uma forma mas positiva, que eu ajudei ela a se sentir mais bonita e mais segura”, conta .

Gostou? Segue elas:

@docepoulain   @bykalincamaki

Veja também: