Viajando de Harley, para Capitólio, o “mar” de Minas Gerais

  • Motor
  • Redação

Domingo de sol bem cedo e mala pronta. Subi na nova Harley-Davidson Deluxe e parti para mais uma aventura. O destino da vez? Conhecer o “mar de Minas”, em Capitólio, Minas Gerais.

Saindo de São Paulo, segui para a Rodovia dos Bandeirantes, sentido Jundiaí. Passei por Jaguariúna, Mococa, Passos e, por fim, Capitólio. As estradas estavam bem tranquilas e em ótimas condições durante toda a viagem. Ao todo, foram 450 quilômetros, percorridos em 7 horas – mesmo com algumas paradas para abastecer, tirar fotos e almoçar.

A melhor parada foi em uma pequena estrada vizinha que arrisquei explorar. Assim que passei por São Sebastião do Paraíso, um caminho de terra me apareceu! Ah, eu não pensei duas vezes e entrei nele, mesmo sabendo que estaria saindo um pouco da rota! Estradinha deserta e perfeita para descansar um pouco da tensão das rodovias. Pude curtir o som dos pássaros, os perfumes da natureza. Fiquei ali, parada, por uns 30 minutos.

Co¦üpia de GetFileAttachment-18

Foto: Eliana Milizia

 “Nunca tenha pressa de chegar ao destino final! O caminho e a viagem fazem parte da aventura. É sempre incrível conhecer novos lugares que não estavam no roteiro original.”

Outro ponto alto da viagem foi quando atravessei a divisa entre São Paulo e Minas Gerais. Naquele momento, voou em minha direção uma “chuva” de borboletas amarelas. Para mim, foi uma ótima maneira da natureza me dizer “bem-vinda à Minas Gerais”. Ficou claro que presenciaria muita vida e cor dali em diante.  Quase chegando em Capitólio avistei uma coloração verde intensa, bem no fim do horizonte.

Fui me aproximando e, quando consegui avistar mais de perto, veio a grande surpresa: era a cor do “mar de Minas”, a represa artificial maior e mais limpa do mundo! O contraste da estrada com a cor da água forma um desenho lindo, que mais parece a pintura de um quadro, ou até mesmo um grande cenário. Impressionante!

O almoço e o passeio no centro da cidade

Muita gente me deu a dica e eu não pude deixar de parar, ali na estrada mesmo, a poucos quilômetros de Capitólio, no Restaurante do Rio Turvo, de frente para o “mar”. O que me assustou um pouco foi a fila e o movimento. Mas como estava sozinha, logo consegui sentar. Pedi um peixe delicioso, uma tilápia enrolada no bacon, com brócolis, purê de batata e molho de abacaxi com pimenta. Ma-ra-vi-lho-sa! O prato serve duas ou até três pessoas.

Depois do almoço eu resolvi dar uma volta no centro da cidade. Ele é bem pequeno e a igreja matriz, chamada Igreja de São Sebastião, é bem charmosa. Também aproveitei para fotografar a arquitetura da região e ainda fiz amizade com alguns cachorrinhos de rua. –

Segui do centro até o início da “estrada do Dique” para chegar na pousada. Esta é uma estrada de cascalho…. É, meu amigo, eu gosto destas aventuras. Foram apenas 13 km, sem problema algum. Talvez por fazer muito isso com moto custom, hoje já tenho certa facilidade. E, sim, é possível pilotar motos custom na terra. O único problema é o risco de pegar chuva! Se isso acontecer, a lama já dificulta muito! Por isso eu sempre alerto: dá para ir, sim. Mas na chuva não me atrevo.

SAMSUNG CSC

Foto: Eliana Milizia

Passeios imperdíveis

Escolhi me hospedar no Solar Dona Dora, por ter ótimo custo e por ser a pousada mais bem localizada: de frente para a represa. O pôr do sol da pousada é algo indescritível! Fiquei na piscina com vista para represa, onde o sol se despede no final da tarde. Por tudo isso, não tem como indicar outra pousada. A minha escolha foi um palpite certeiro.

Da pousada também é fácil ir até o Morro do Chapéu. Trata-se de um mirante natural, a 1.293 metros de altitude, e de onde se pode avistar boa parte do Lago de Furnas e também algumas cidades. O morro é formado por uma chapada e tem uma capelinha charmosa com a imagem de Nossa Senhora dos Desamparados. Mas o curioso foi encontrar muros de pedras construídos no início do século passado.

Os três dias na pousada passaram sem que eu nem ligasse a Harley. Deixei a moto estacionada e fiz todos passeios a pé ou de lancha. É bem bacana para descansar e curtir a aventura um pouco livre dos equipamentos de motos (jaqueta, capacete, luvas, mochila etc.), já que fazia muito calor.

O Faber foi o meu barqueiro. Foi ele que me levou em um passeio pelo lago de Furnas, com direito a paradas em Cachoerinha, Lagoa Azul e na Cachoeira do Canyon. Fiquei impressionada com a cor da água e pensei, “por que não vim antes para este lugar? Tão lindo e tão perto de Sampa”. Até a volta do passeio foi mágica: já estava escuro, a lua iluminando a represa, o vento da lancha e a música boa. Um dia de lancha é suficiente para conhecer todas as atrações. Aproveite o restante dos dias para conhecer o Morro do Chapéu e curtir a Pousada, rede, praticar stand-up paddle.

O que falar de Capitólio? Gostei tanto que, dias depois, ainda acordava pensando em todos detalhes da minha viagem. A delícia de pilotar a Harley-Davidson Deluxe, as pessoas que conheci, os lugares por onde passei, a comida que provei, a cor da água que mergulhei, o pôr do sol de frente para a pousada e os cânions. É muita coisa boa em um lugar só. E você? Está esperando o que para ir para o mar de Minas também?

GetFileAttachment-34

Foto: Eliana Milizia

GetFileAttachment-31

Foto: Eliana Milizia

SAMSUNG CSC

Foto: Eliana Milizia

GetFileAttachment-23

Foto: Eliana Milizia

Dicas de viagem

Onde Ficar?
Pousada Solar Dona Dora

Onde comer?
Rio do Turvo
Kanto da Ilha

ELIANA

ELIANA MALIZIA
Colunista de motor / moto repórter e piloto de testes de motocicleta

 

Veja mais

Acelerando a esportiva Ducati Xdiavel

De São Paulo a Bombinhas em uma Harley-Davidson Road King