[REFLEXÃO] Como você exerce sua paternidade?

O Dia dos Pais já passou, mas é sempre tempo de olharmos para nós mesmos. Como você age como pai? Do que abre mão pela paternidade?

Fato é que, cada vez mais, os homens têm despertado para a importância da luta por igualdade de gêneros e deixado o papel de personagens secundários na criação dos filhos. Muitos já querem deixar de ser ajudantes para ser pais mais do que presentes, que compartilham decisões, emoções e cuidados de forma igualitária. Em alguns casos, é preciso uma mudança drástica de vida para que esse despertar aconteça. Foi o que aconteceu com Claudio Henrique dos Santos, ex-executivo que precisou assumir os cuidados com a casa e a filha quando se mudou para Singapura para acompanhar a esposa que havia recebido uma promoção de trabalho.

Sem poder trabalhar no país, Claudio ficou responsável por cuidar da filha e da casa. “Jamais pensei que eu ia ter a oportunidade de passar tantos momentos maravilhosos do lado da minha filha”, conta. Atualmente morando na França com a família, Claudio se divide em viagens ao Brasil para fazer palestras sobre como essa experiência mudou sua visão do mundo feminino e o fez se aprofundar nas questões sobre paternidade e equidade de gênero. Além de manter um canal no YouTube, Claudio já lançou dois livros: Macho do século 21 e Mulheres Modernas, Dilemas Modernos, este último em parceria com a jornalista Joyce Moysés.

“Quando a minha filha nasceu a minha maior preocupação era: a partir de agora eu tenho esse ser aqui comigo que eu vou ter a obrigação de educar, de cuidar mas, principalmente, de sustentar. E essa experiência foi muito legal porque me fez sacar que ser pai é muito mais do que simplesmente colocar um prato de comida.”

Para ele, a igualdade liberta também os homens e permite a eles viver a paternidade na plenitude. “Se puder dar um conselho aos pais, seria procurem de fato se envolver com a criação dos teus filhos, compartilhar as tarefas. Isso é importante não só pros filhos, mas é muito importante pra gente, a gente cresce como ser humano.”

Trabalhar em casa

Trabalhar de casa costuma ser uma opção vantajosa para pais profissionais que, no Brasil, têm apenas 5 dias de licença paternidade – em sua maioria – e buscam uma boa alternativa para ficar mais tempo com a família, sendo uma delas iniciar uma atividade como freelancer. De acordo com a Workana, plataforma de trabalho freelance com atuação em toda a América Latina, a atividade cresceu mais de 181% em 2016 e 47% dos freelancers cadastrados no Brasil têm filhos.

Um deles é Raul Galvão, publicitário que atua como freelance há dois anos. Ele conta que a atividade é uma boa aliada, já que comemora em 2017 seu primeiro Dia dos Pais. “Meu filho nasceu há três meses e, com o dia a dia corrido do trabalho, ser freelancer me ajuda ter flexibilidade de horários. Assim, consigo trabalhar e ter mais tempo com a minha família”, conta Raul.

Segundo o levantamento realizado pela Workana, 34% dos pais contam com ajuda externa para cuidar dos filhos. Guillermo Bracciaforte, cofundador da Workana, aponta que o perfil dos pais vem mudando e refletindo essa transformação no mercado de trabalho. “Cada vez mais temos pais que sentem a necessidade de cuidar dos filhos e dividir igualmente as tarefas com a mulher. Isso se alia à busca dos profissionais pela harmonia entre vida profissional e pessoal e tem um efeito muito positivo, já que um pai que participa mais em casa proporciona mais liberdade para que a mãe também siga com sua carreira profissional”, explica Bracciaforte.

O cofundador da plataforma aponta que essa busca por um trabalho mais flexível colabora para o crescimento da atividade freelance e proporciona aos profissionais novas oportunidades. Dentre os usuários da Workana, cerca de 60% trabalham como freelancer em tempo integral, sem conciliar com outro emprego.