Será que ela quer? Linguagem corporal te responde

Por José Roberto Marques, master coach, presidente do Instituto Brasileiro de Coaching (IBC) e autor de diversas obras sobre Coaching e Desenvolvimento Humano

Talvez não haja dúvida mais aflitiva (e deliciosa ao mesmo tempo) do que esta: será que ela está a fim de mim?

De acordo com estudos conduzidos pelo professor-emérito da UCLA, Albert Mehrabian, de toda a comunicação humana com o mundo exterior 7% é verbal, 38% é vocal e 56% é não-verbal. É isso mesmo: mais da metade do conteúdo das milhões de mensagens que transmitimos ao longo da vida não é dito com palavras, o que significa dizer que, em caso de dúvida a respeito de qualquer coisa, você não precisa necessariamente perguntar. Basta observar.

Você pode argumentar que é preciso ter uma boa dose de autoconfiança para apoiar-se na comunicação não-verbal na hora de compreender cenários incertos e nebulosos, e eu não discordaria. Ainda assim, com um pouco de atenção à chamada “linguagem corporal”, dá para concluir muito mais da comunicação não-verbal do que você jamais conseguirá se prestar atenção “apenas” ao que é, de fato, dito.

É mais fácil do que parece. Mas, antes que você alimente qualquer esperança a respeito disso, vou deixar claro desde já: quando ela diz não, é não. E ponto. O fato de a carga comunicativa do timbre da voz associado aos inúmeros gestos, olhar, postura corporal etc. ser maior do que o aspecto verbal da comunicação não significa que o que ela efetivamente diz tenha outro significado. De novo: não é não!

Linguagem corporal

Vamos lá: linguagem corporal é o conjunto de todas as expressões e comportamentos do corpo. Esse tipo de linguagem é estudado por uma ciência chamada “Quinésia”, que tem por objetivo investigar e interpretar o significado real dos gestos corporais, executados por meio dos sentidos e em diferentes situações e contextos.

A palavra-chave aqui é “sentidos”. Diferentemente da comunicação verbal, prioritariamente guiada pelo consciente (ou self 1, em termos mais familiares para quem conhece o coaching), a linguagem corporal é uma forma de expressão muito mais “livre”, determinada, em grande parte, pelo inconsciente (self 2). Isso faz com que a postura corporal e os gestos empregados durante a comunicação sejam mais “confiáveis” (do ponto de vista técnico) do que as palavras expressas, que costumam ser muito mais estudadas antes de serem ditas.

É por isso que é totalmente possível perceber se ela está a fim de você mesmo que não seja a hora de perguntar (trazer esse conteúdo do self 2 para o self 1). Como? Aqui estão algumas dicas para fortalecer a sua confiança:

Braços cruzados: este comportamento demonstra uma posição de defesa ou irritação.

Cabeça apoiada entre as mãos: demonstra desinteresse, ociosidade, tristeza e tédio.

Inclinação para frente: esse é um movimento típico de projeção. Se ela busca estar mais próxima fisicamente de você durante uma conversa, este é um indício de desejo.

Mexer as mãos (ou pés) ou morder os lábios: nervosismo. Pode denotar óbvia inquietude ao tentar esconder determinado sentimento, mas também pode significar que ela não fica à vontade com você.

Mexer nos cabelos: pode ser insegurança, timidez ou mesmo vaidade.

Olho no olho: quando existe algum tipo de interesse, buscamos contato. De todo tipo. Por isso, se você perceber que ela olha fixamente… ponto para você.

Pernas cruzadas: esta é uma demonstração clara de firmeza e confiança.

Para o (provável) caso de você estar a fim dela, é sempre bom lembrar que, mesmo que seja impossível dissimular a linguagem corporal de todo, dá para tentar evitar que o feitiço vire contra o feiticeiro, controlando o que o seu corpo diz quando você está perto dela. A dica básica é: respire. Concentre-se em você e nos seus movimentos. Procure deixar as mãos paradas e mantenha o tom de voz equilibrado. Ninguém disse que seria fácil…